segunda-feira, 18 de junho de 2007

Os eternos "buracos"


Andrea N. Jesus in Diário de Notícias (Madeira
Data: 27-05-2007

Sou aluna da Universidade da Madeira e cada vez mais há situações que me desiludem e, só não saio desta universidade porque não tenho condições financeiras para estudar fora daqui e as bolsas de estudo são muito complicadas de obter. Mas vamos ao que interessa. Resolveram fechar a Universidade até segunda-feira porque a Comissão da NATO vem à Madeira e estou ciente de que é um grande prestígio para a nossa região. O que questiono é o facto de terem construído um Centro de Feiras e Congressos mesmo ao lado da Universidade, na medida em que os alunos têm sido muito prejudicados por isso, não só a nível de concertos que se realizam no Tecnopolo, como também de feiras, rally, etc. Levamos com tudo, e ainda levamos com as multas constantes dos polícias. O estacionamento da Universidade tem sido um alvo fácil de angariar mais uns fundos para a polícia adquirir viaturas novas, que nem vemos na rua. O que revolta é que, quando há concertos, rally, feiras ou reuniões importantes, toda a gente pode estacionar onde quiser, dentro e fora da universidade, em cima dos passeios, etc. que os caçadores de multas não aparecem. É pena! Também a nível de jardins, a Universidade nunca se preocupou em limpá-los, apesar de alguém já ter chamado à atenção para o facto. Mas hoje, quem passa pela universidade a visão não é a mesma. A limpeza foi feita a pensar na imagem que os senhores da Nato teriam daquele espaço. Sim, porque os alunos, que pagam as propinas, podem muito bem conviver diariamente com o matagal. E já agora, a Rua do Til continua intransitável. Não levem os senhores da NATO para essa artéria. Nós, madeirenses, podemos cair todos os dias nos buracos do Til e noutros por aí. A NATO é que não convém.

4 comentários:

Su disse...

essas situações acontecem nas mais diferentes situações....é sempre assim.....qd chegam os tubarões a costa está sempre limpa............

amsf disse...

A Madeira com este evento descobriu mais um nicho de mercado. Dar guarida a pessoas ou instituições que normalmente são vítimas (?!) de manifestações públicas. Em qualquer outro lugar que não a Madeira teria havido pelo menos uma manifestação de repúdio pela presença da NATO/OTAN mas aqui na terra do Povo Superior nickles! Não se admirem se reuniões tipo G8, Organização Mundial do Comércio, FMI, empresas de armamento, laboratórios farmaceuticos que utilizam animais como cobaias começarem a usar a nossa ilha como lugar priviligiado para os seus encontros.

Anônimo disse...

...e não se admirem que o amsf nem pie quando usufruir dos benefícios indirectos da vinda dessa 'gentalha' à nossa terra.

O próprio disse...

Ó anónimo!

Vou-lhe fazer uma confidência. Que eu tenha conhecimento só ouve uma manifestação de repúdio que consistiu no aparecimento de c/ de 600 panfletos (15 x 11 cm) espalhados na rua que circunda o edifício da Univ. da Madeira. Porque essa zona estava vedada aos jornalistas acabou por não ter qualquer repercussão. No entanto as forças de segurança tomaram conhecimento bem como algumas entidades organizadoras. Não se percebe como é que colocaram snipers nos telhados da UMa para controlar o Tecnopolo sem passar revista aos próprios telhados.